Conversinha - Toda luz que não podemos ver

Voltei!

Terminei esse livro maravilhoso!
Estou até com dificuldades de falar sobre ele, porque ainda não consegui defini-lo em uma palavra, cativante talvez, não sei direito.
É um livro denso, do jeito que eu gosto, mas não é choroso, é bem real e nos faz a todo instante avaliarmos o que é o "ser humano"!
Fiquei revoltada em várias partes, principalmente quanto à reprogramação dos jovens alemães nas tais escolas Hitleristas e também no grande roubo do patrimônio da humanidade, a quantidade de obras de artes saqueadas pelos alemães!
Gostei de como a trama dos personagens foi desenvolvida, gostei dos capítulos curtos e alternados entre os vários anos que se passou a história.

Agora os personagens são fantásticos, reais e tipo pessoas comuns que deram o melhor de si em uma época difícil e cruel...que não deixaram a bondade ir mesmo com todos os obstáculos e perdas pessoais.
Marie-Laure é um exemplo de vida do começo ao fim.
Werner a prova de que nem todos concordavam com as ações alemãs, mas que de uma forma ou de outra se viram envolvidos com os atos mais abomináveis possíveis.
Enfim...todos os personagens são maravilhosos!

LEIA!!! PLEASE, LEIA!

Toda Luz Que Não Podemos Ver - Marie-Laure vive em Paris, perto do Museu de História Natural, onde seu pai é o chaveiro responsável por cuidar de milhares de fechaduras. Quando a menina fica cega, aos seis anos, o pai constrói uma maquete em miniatura do bairro onde moram para que ela seja capaz de memorizar os caminhos. Na ocupação nazista em Paris, pai e filha fogem para a cidade de Saint-Malo e levam consigo o que talvez seja o mais valioso tesouro do museu. Em uma região de minas na Alemanha, o órfão Werner cresce com a irmã mais nova, encantado pelo rádio que certo dia encontram em uma pilha de lixo. Com a prática, acaba se tornando especialista no aparelho, talento que lhe vale uma vaga em uma escola nazista e, logo depois, uma missão especial: descobrir a fonte das transmissões de rádio responsáveis pela chegada dos Aliados na Normandia. Cada vez mais consciente dos custos humanos de seu trabalho, o rapaz é enviado então para Saint-Malo, onde seu caminho cruza o de Marie-Laure, enquanto ambos tentam sobreviver à Segunda Guerra Mundial.Uma história arrebatadora contada de forma fascinante. Com incrível habilidade para combinar lirismo e uma observação atenta dos horrores da guerra, o premiado autor Anthony Doerr constrói, em Toda luz que não podemos ver, um tocante romance sobre o que há além do mundo visível.



Bom, é isso por hoje! Agora vou tentar terminar um mom-lit que comecei antes de pegar uma nova remessa, rs

beijosss

4 comentários:

  1. Oi amiga, bom dia!
    Muito obrigado pela dica, este livro vou ler com certeza.
    Sobre os roubos, tem um filme muito legal: Caçadores de Obras-Primas (Durante o declínio de Hitler na Alemanha, um grupo de 13 especialistas vindos de países diferentes é reunido para reencontrar obras de arte roubadas pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. George Stout (George Clooney), um oficial americano e conservador de obras de arte, lidera a equipe).
    O filme retrata os absurdos cometidos pelos nazistas.
    Bjkas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obaaaa, vou procurar o filme pra assistir!
      bjsss

      Excluir
  2. Ai, ai, ai...
    Eu já tinha me apaixonado pelo título e pela capa. Depois dessa resenha vou ter que comprar!
    Obrigada por compartilhar.
    Bjs...

    ResponderExcluir
  3. Preciso ler urgente depois da sua resenha! Já adoro esse tema!
    Eu vi o filme que a Tania citou, é excelente! E tem o livro tbem , mas esse ainda não li.
    Bjs,

    ResponderExcluir