O Sol é para todos + Projeto Lendo Clássicos, Livros/Autores premiados e Obras Estrangeiras de importância

Olá pessoal

No sábado passado finalizei a leitura do livro O sol é para todos da Harper Lee, autora que faleceu na semana anterior e simplesmente AMEI o livro. É sensacional! Um livro cheio de bons preceitos para nos passar, vários pontos a analisar e com personagens incríveis e íntegros.

Super recomendo a leitura a todos, independente de idade! É um livro atemporal, narrado por uma criança, Scoult, tentando compreender e absorver as mudanças nas pessoas diante de um fato inusitado: um estrupo de uma mulher branca (o acusado era um negro) e isso na década de 30 lá nos Estados Unidos era realmente um tema polêmico, pois ainda havia segregação.

Atticus Finch, o pai dessas crianças era viúvo e advogado, respeitado por todos da cidade e é designado para defender esse negro, Tom Robinson. Durante todo o livro Atticus se mostrou um homem de bom caráter, convicto de seus valores e muito boa praça. Os conselhos que ele dá aos filhos (Scoult - menina de 6-7 anos e Jem 10 anos) são espetaculares, amei e marquei cada um deles!

"Ainda que tenhamos perdido antes mesmo de começar, são significa que não devamos tentar..."
(página 102)

"- Quase todo mundo acha que está certo e que você é que está errado.
- Essas pessoas certamente têm o direito de pensar assim, e têm todo o direito de ter sua opinião respeitada - considerou Atticus. - Mas antes de ser obrigado a viver com os outros, tenho de conviver comigo mesmo. A única coisa que não deve se curvar ao julgamento da maioria é a consciência de uma pessoa."
(página 135)

Tem várias outras partes legais no livro, mas que não vou transcrever, por isso repito, Leia!!!

O julgamento desse caso de estrupo revelou a índole das pessoas da pequena e aparente pacata cidade de Maycomb, alguns tenderam aos julgamentos preconceituosos e outros se conscientizaram que a situação toda era uma injustiça ao acusado.

Não quero dar spoillers, por isso não vou me aprofundar sobre o julgamento, mas só para terem uma idéia, mesmo sendo inocente, naquela época era inconcebível um negro ser absorvido de uma acusação dessas, por aí, vocês já têm uma idéia de todo o desenrolar da situação. Mas Atticus se manteve incorruptível até o final, mesmo após várias ameaças contra à sua vida e até mesmo das crianças. Houve muita pressão, porem ele se manteve firme em seu senso de justiça e igualdade até o final.

Achei muito legal acompanhar o crescimento e amadurecimento das crianças (o livro todo se passa num período de 3 anos), eram levados e travessos, mas também se espelhavam e respeitavam muito o pai. Tinham uma liberdade a mais, pois não tinham a presença da mãe, mas mesmo assim, todas as brincadeiras e travessuras eram inerentes à suas idades. Até mesmo a obsessão deles (e de Dill, um amigo que passava o verão na vizinhança) em relação à um vizinho recluso era normal, cheios de imaginação próprias das crianças curiosas que eram.

Como eu disse, há muitas coisas legais a serem consideradas nesse livro, mais uma vez, Leia!

Com certeza se tornou um queridinho e favorito para mim.

Quem quiser conferir, tem vídeo resenha lá no canal! Espero vocês.

3 comentários:

  1. Realmente é um livro fantástico! Adorei a nova "cara " do blog! Um arraso! Parabéns!
    bjs,

    ResponderExcluir
  2. Leila,
    Parabéns o blog tá lindo!
    Adorei a resenha.
    Pode dar spoiler aqui? Rsrsrsrsrs...
    Gostei porque de certa forma eles ficaram amigos do vizinho (apesar das travessuras), que os salvou no final.
    Quanto ao julgamento, era previsível, pois pra mim a intenção da autora era causar indignação, demonstrar a injustiça e mostrar como era o pensamento da sociedade na época. A história está aí para não repetirmos certos erros, mas acho que a gente é insistente (ou burro).
    Bjs...

    ResponderExcluir