Conversinha - Filhos da Sorte - Jeffrey Archer

Olá pessoal

Eis que terminei mais uma leitura prazeirosa e um pequeno calhamaço também, 537 páginas.
Já falei antes e repito, gosto muito do Jeffrey Archer, ele vai construindo a historia, acrescentando detalhes, evoluindo os personagens até chegar num ápice.

Filhos da sorte é um bom livro, demorou um pouco a engrenar, mas depois fluiu que foi uma beleza e lógico foi uma leitura deliciosa.
Super recomendo aos fãs do autor e para aqueles que ainda não o conhecem, digo para começarem pelo Caim e Abel, o melhor livro dele na minha humilde opinião.

No final dos anos 1940, em Hartford, Connecticut, dois gêmeos são separados ao nascer. Nat Cartwrigth vai para casa com seus pais - ela, professora; ele, vendedor de seguros -, mas seu irmão gêmeo está prestes a começar a vida como Fletcher Andrew Davenport, o filho único de um multimilionário e sua esposa da high society.

A partir de então, os dois irmãos crescerão desconhecendo a existência um do outro. Nat deixa a universidade para servir no Vietnã. Retorna como herói, termina a faculdade e passa a ser um banqueiro bem-sucedido. Fletcher, entretanto, gradua-se pela Universidade de Yale e distingue-se como advogado criminalista antes de ser eleito senador.

Nem mesmo quando se apaixonarem pela mesma garota, Nat e Fletcher não se conhecerão.

Continuarão separados em seus caminhos até que um terá que defender o outro a um assassinato em que é inocente. Mas o confronto final acontecerá quando Nat e Fletcher forem escolhidos para se oporem na disputa ao governo do Estado.

Na tradição dos romances mais populares de Jeffrey Archer, Filhos da sorte é não só a crônica de uma nação em transição, mas também a história de dois homens favoráveis e o modo pelo qual, finalmente, descobrirão a verdade - e suas incríveis conseqüências.


Bom, esse foi o livro de número 44 do ano pessoal, rumo aos 100! hehehe

beijosss

2 comentários: