Conversinha - À sombra da figueira

Olá pessoal

Hoje vim falar um pouquinho sobre o livro À sombra da figueira da autora Vaddey Ratner.
Livro auto-biográfico que nos mostra uma cultura adversa à nossa, pois se passa no Camboja e mais ainda, em um período super turbulento politicamente falando.

Raami (a narradora do livro, que é a nossa autora) vê sua vida de princesa virada ao avesso com o surgimento da revolução Camboja Democrático, onde todos são despidos de seus bens e suas identidades, Seu pai, um príncipe, descendente da família real é o primeiro a se sacrificar pela família.

Serão 4 anos de privações e sofrimentos indizíveis que ela e sua mãe enfrentam, muitas perdas pelo caminho e uma luz no final, quando o Vietnã declara guerra ao Camboja e coloca um fim à revolução.

Eu confesso que esperava mais do livro, queria ter me emocionado mais, foi triste, com situações inimagináveis e desumanas, mas mesmo a narrativa sendo feita por uma criança não conseguiu me arrebatar totalmente e me fazer chorar aqueles rios de lágrimas que geralmente choro nesse tipo de drama. Mas foi um bom livro e fica aí uma recomendação!


Para a menina Raami, de sete anos de idade, o fim abrupto e trágico da infância começa com os passos de seu pai voltando para casa na madrugada, trazendo detalhes da guerra civil que invadiu as ruas de Phnom Pehn, a capital do Camboja. Logo o mundo privilegiado da família real é misturado ao caos da revolução e ao êxodus forçado. Nos quatro anos seguintes, enquanto o Khmer Rouge tenta tirar da população qualquer traço de sua identidade individual, Raami se apega aos únicos vestígios de sua infância — lendas míticas e poemas contados a ela pelo seu pai. Em um clima de violência sistemática em que a lembrança é uma doença e a justificativa para execução sumária, Raami luta pela sua sobrevivência improvável. Apoiada no dom extraordinário da autora pela linguagem, Sombras da Figueira é uma história brilhantemente intricada sobre a resiliência humana.

Finalista do Prêmio PEN Hemingway este livro vai levá-lo às profundezas do desespero e mostrar horrores abomináveis. Vai revelar uma cultura maravilhosamente rica, lutando para sobreviver através de pequenos gestos,. Vai fazer com que jamais sejam esquecidas as atrocidades cometidas pelo regime Khmer Rouge. Vai lhe encher de esperança e confirmar o poder que há ao se contar uma história de nos elevar e nos ajudar não somente a sobreviver, mas à transcendência do sofrimento, da crueldade e da perda.


Bom, é isso por hoje.

Beijosss

<3

0 comentários:

Postar um comentário